Domenech e Viehmann vencem a quarta etapa.


Com direito a chuva por algumas voltas, 30 carros, entre Opalas e Caravans fizeram o show em mais duas emocionantes provas neste domingo.


Novamente sem poder contar com a presença do público fiel nas arquibancadas, a Old Stock Race e Opala 250 realizaram mais duas baterias, válidas pela quarta etapa do Campeonato Paulista, e desta vez os pilotos tiveram que mostrar muita habilidade no Autódromo Internacional José Carlos Pace na zona sul da cidade de São Paulo com destaque para dois deles: Ricardo Domenech, que venceu as duas vezes pela Old Stock Race e Konrad Viehmann, que levou a vitória pela Opala 250 nas duas provas, fazendo o campeonato ficar mais acirrado entre ele e Giovani Almeida.


Na largada da primeira prova Pimenta contornou o “S do Senna” na ponta, com Grego Lemonias tentando tomar sua posição e Felipe Matos pelo lado de fora também arriscando uma ultrapassagem. Na linha de trás, Marcos Philippi, Ricardo Domenech, Evandro Camargo e Marco Maragno, fizeram praticamente juntos o contorno ate a entrada da reta oposta. Pimenta conseguiu abrir alguns metros de vantagem de Lemonias e Marcos Philippi emparelhou seu Opala com Felipe Matos na curva do lago conseguindo a ultrapassagem na subida do laranjinha, se mantendo na posição por algumas voltas, mas não sem ser atacado todo o tempo pelo piloto do Opala 93.


Pimenta e Grego fizeram um duelo até praticamente o final da primeira prova. Foto: Humberto Silva/OSR


Pela Opala 250, categoria que além de ter em seu grid Opalas de todos os modelos, também conta com as Caravans, Cristian Cordeiro e Konrad Viehmann duelaram praticamente durante toda a prova, ambos com suas Caravans, 333 e 73 respectivamente, alternando as posições e enfrentando também carros da Old Stock Race curva a curva.


Na categoria Opala 250 as Caravans de Konrad Viehmann e Cristian Cordeiro. Foto: Humberto Silva/OSR


La na ponta, Pimenta e Grego mantiveram se muito próximos o tempo todo, abrindo uma distancia razoável do segundo pelotão, ate que o Opala do líder do campeonato na Categoria Opala 250, Giovani Almeida rodou no “S do Senna” e o motor apagou, sendo necessária a intervenção do Safety Car, reagrupando todos os carros.


Faltando três voltas para o final, a bandeira verde foi agitada e na freada do final da reta principal o Opala de Grego Lemonias tocou a lateral do carro de Pimenta, que o fez perder o traçado indo para a área de escape. Com isso Lemonias assumiu a ponta e Pimenta passou a ser atacado por Rodrigo Helal, que relargou em terceiro, após um inicio de prova com problemas, nisso Domenech também se juntou ao pelotão e passou a atacar Helal e posteriormente o carro 451.


Abrindo a penúltima volta, Pimenta conseguiu emparelhar seu carro com o de Grego na descida do lago e quando os dois Opalas apontaram na curva do laranjinha se tocaram porta com porta, fazendo com que o Opala 451 rodasse, perdendo a posição novamente para o 18, que passou a ser atacado por Ricardo Domenech e Felipe Matos, após ambos ultrapassarem o Opala 113 de Helal com problemas elétricos.

Ricardo Domenech, que teve problemas no inicio da prova, se recuperou e escalou o pelotão. Foto: Humberto Silva/OSR


Abrindo a última volta, Ricardo Domenech se aproximou ainda mais de Grego e no final da reta oposta os dois carros ficaram emparelhados, ate que Lemonias passou reto na curva e foi parar na caixa de brita. “Na reduzida eu pisei no freio e o pedal foi ate o fundo, pois as pastilhas se desgastaram demais, esquentando o sistema e isso fez o fluido vazar muito rápido sem que eu tivesse tempo de perceber, então o instinto foi jogar o carro na caixa de brita para ele parar, antes que tomasse a direção da proteção de pneus, o que poderia ter causado um acidente muito serio na velocidade que eu vinha.” disse Grego após a prova.


Ricardo Domenech partiu para a vitória, com Felipe Matos chegando em segundo, Pimenta em terceiro e completando o pódio, Amaury Biem em quarto, Marco Maragno em quinto e Ciro Paciello em sexto.

Pela Opala 250, Konrad Viehmann foi o vencedor, Cristian Cordeiro o segundo, Perseu Alarcon o terceiro, Carlos Freire o quarto, Alberto Scarasati o quinto e Eduardo Conradt o sexto.

Domenech vence a primeira prova depois de uma largada com problemas. Foto: Humberto Silva/OSR


A segunda prova, no período da tarde, teve um componente especial: a chuva que estava prometida ainda para o treino do sábado e não veio, chegou de forma até que tímida ainda no alinhamento dos carros no grid, o que pegou a todos de surpresa, caindo inicialmente na parte próxima ao final da reta oposta e em seguida cobrindo todo o autódromo, mesmo que com pouca intensidade, mas o suficiente para encharcar o asfalto, que passou o final de semana inteiro recebendo várias categorias do campeonato acumulando detritos de borracha e alguns pontos de óleo em determinados trechos. Isso comprometeu significantemente o andamento da prova, pois os Opalas e Caravans agora tinham mais uma preocupação: a de procurar um traçado melhor para contornar as curvas e escolher um ponto de frenagem seguro.


Na largada, Felipe Matos se deu muito bem colocando o Opala 93 no final da reta dos boxes e mesmo vindo pelo lado de fora da curva na primeira perna do “S do Senna”, manteve a linha de traçado, obrigando Domenech a fechar mais a curva para não haver o toque e com isso Matos conseguiu contornar a segunda parte da curva por dentro, apontando na reta oposta na primeira colocação. Na curva da junção Domenech atacou Felipe que, para se defender, mudou o traçado e com isso deu a chance de Ricardo completar a manobra à sua frente subindo para a reta dos boxes novamente na ponta, porém na entrada da curva do Sol Domenech passou do ponto atingindo a parte de terra da pista perdendo a posição e ficando para trás.

Largada da segunda prova, Domenech por dentro, Matos por fora. Foto: Humberto Silva/OSR


Felipe assumiu novamente a liderança da prova, sendo agora perseguido por Marco Maragno, Amaury Biem e Grego Lemonias. O piloto do Opala numeral 18, que largou em 20º, na abertura da segunda volta já era quarto colocado e na entrada da reta oposta fez a ultrapassagem sobre Maragno e Biem, assumindo a segunda posição, partindo para o ataque direto a Felipe Matos, conseguindo assumir a ponta na descida do lago. Pela Opala 250 Cristian Cordeiro da Caravan 333 largou muito bem, ultrapassando Konrad Viehmann e Ciro Paciello, chegando figurar na quarta posição nas primeiras voltas.

O líder do Campeonato seguido de perto pelo vencedor da primeira prova. Foto: Humberto Silva/OSR


Ao completar a oitava volta, Grego Lemonias avistou uma placa com os números 01 (zero e hum) mostrados pelo fiscal no PSDP (Posto de Sinalização da Direção de Provas), a qual ele interpretou como sendo a indicação de que faltava apenas uma volta para o termino da prova, já que ele estava sem comunicação de rádio com a equipe, se valendo apenas das informações visuais dadas pelos fiscais de pista nos postos de sinalização, mas na verdade a placa era uma de advertência para o carro numeral 1 de Evandro Camargo, o que levou Lemonias a poupar o carro, pois a vantagem era razoável em relação ao segundo colocado e Domenech, que passou a imprimir um ritmo mais forte chegando a cravar por mais de uma vez a volta mais rápida da prova. Quando Lemonias completou a nona volta, o Opala numeral 17 já estava em seu retrovisor, chegando ao final da reta dos boxes praticamente junto com Grego.

"Grego" Lemonias, que tinha uma vantagem considerável, foi traído por uma placa de sinalização. Foto: Humberto Silva/OSR


Nas duas últimas voltas Domenech e Lemonias duelaram curva a curva até a chegada, com o Opala numeral 17 recebendo a bandeira quadriculada apenas 0s038 à frente de Grego. Porém, a direção de provas puniu o opala numeral 18 por queima de largada, acrescentando 20 segundos ao tempo total de prova de Lemonias. Com isso, Felipe Matos subiu para a segunda colocação, Marcos Phillipi, que também fez uma excelente prova ficou em terceiro lugar, Rodrigo Helal foi o quarto e completando o pódio George Lemonias o quinto e Matheus Martins o sexto.

Domenech recebeu mais uma vez a bandeira quadriculada em primeiro lugar. Foto: Humberto Silva/OSR


Pela Old Man, classe para pilotos da Old Stock Race acima de 55 anos, a vitória foi de Marcos Philippi, Grego Lemonias foi o segundo, Ciro Paciello o terceiro e Pimenta o quarto colocado.


Na Opala 250, Konrad Viehmann conseguiu ultrapassar Cristian Cordeiro e foi o vencedor de mais uma prova, sua terceira na temporada, com Eduardo Conradt ficando em segundo, Carlos Freire foi o terceiro, Perseu Alarcon o quarto e completando o pódio, Cristiano Cordeiro foi o quinto e Giovani Almeida o sexto.

Viehmann cruzou novamente em primeiro, somando 60 pontos no final de semana. Foto: Humberto Silva/OSR


As categorias voltam para mais uma etapa, a quinta da temporada no dia 29 de novembro, em Interlagos e com grande expectativa de liberação das arquibancadas para o público amante do automobilismo, resta aguardarmos a decisão dos dirigentes do Autódromo e os órgãos de saúde.


Os Opalas e Caravans da Old Stock Race e Opala 250 são equipados com pneus Pirelli, discos de freio Fremax e pistões AFP

Fotos: Humberto Silva/OSR


Sergio Rodrigues

Assessoria de Imprensa


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square